O padrão VETRO e a integração de sistemas

Integrar aplicações em diferentes tecnologias, plataformas ou sistemas operacionais pode ser um formidável desafio a desenvolvedores e arquitetos. Observo nas empresas códigos muito desorganizados e muita confusão quando o assunto é integrar aplicações. Compilo neste post um pequeno padrão arquitetural para ajudar a resolver problemas de integração.

Conheça o padrão VETRO

Vamos aprender a usar este padrão em um exemplo fictício onde precisamos buscar os dados de um determinado cidadão do sistema da receita federal e gravar estes dados em um banco de dados local em formato SQL.

1. VALIDAR. 

O primeiro passo recomendado de toda integracão é realizar a validação dos dados recebidos. A validação pode verificar se o objeto de dados (um esquema XML ou texto JSON) está bem formado.

Como os dados são gerados por aplicações externas, é sempre boa prática “desconfiar” dos dados que estão sendo recebidos, pois eles podem ter sido modificados na estrutura de negócio ou no formato técnico sem aviso prévio.

No exemplo dado, poderíamos checar se a mensagem XML com os dados de um cidadão estão em conformidade com o esquema XSD esperado.

2. ENRIQUECER

O termo enriquecer tem por objetivo adicionar dados adicionais ao pacote de dados recebido. Muitas vezes isso é necessário para que o pacote de dados esteja compatível com o formato esperado pelo destinatário.

No exemplo dado, poderíamos enriquecer a mensagem XML com os dados do cidadão com a informação do login do usuário que esteja usando a aplicação. Estamos considerando que esta informação nova poderia ser usada para auditoria

3. TRANSFORMAR

O próximo passo é realizar a transformação dos dados (seja no formato dos dados ou protocolo técnico). No nosso caso, queremos extrair da estrutura XSD e colocar em um formato universal da plataforma que estamos usando.

Por exemplo, se estivéssemos escrevendo estes códigos em Java ou C#, poderíamos criar um objeto POJO ou POCO com os dados do cidadão enriquecidos com o login do usuário.

4. ROTEAR

Agora estamos próximo do fim e neste passo estamos fazendo o roteamento da informação para o seu destino. No nosso caso, iremos abrir a conexão (IP e porto) com o banco de dados onde iremos salvar o nosso POJO ou POCO com os dados do cidadão.

Em cenários mais elaborados, o roteamento pode envolver rotas complexas.

5. OPERAR

Finalmente, iremos gravar os dados no banco de dados. O passo operar implica em entregar a informação para o destinatário final e terminar a rotina de integração.

O padrão VETRO pode ser implementado através do padrão de desenho cadeia de responsabilidades em Java ou C# e curiosamente forma a base de vários produtos de ESB do mercado. Em projetos SOA, chamamos estas lógicas de serviços de mediação, que também possuem a mesma estrutura básica.

Independente da tecnologia ou plataforma, entretanto, organizar um código desta forma nos fornece limpeza semântica e boa organização em lógicas de integração.

Boas integrações!

Pensamento do dia:
“Manifest plainness,
Embrace simplicity,
Reduce selfishness,
Have few desires.”,
Lao-tzu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s