Maturidade DevOps – Infraestrutura como Código

Conversando com uma pessoa que trabalha em uma grande empresa pública há alguns meses, ouvi o seguinte relato.

“Meu time precisava de um ambiente para a homologação do nosso produto, que já estava com um atraso considerável. Entretanto, ouvi da nossa infraestrutura que a requisição do ambiente de homologação demoraria algumas semanas. A partir deste momento, toda uma cadeia de estresses se estabeleceu de lado a lado, com pressões diversas de pessoas do desenvolvimento e respostas áridas do time de operações. E no final das contas, o nosso time precisou esperar 3 semanas para ter um ambiente liberado. E isso somente tornou o nosso projeto, que já estava ruim, em um pesadelo vivo”, – Gestor Irritado com a sua infraestrutura do século XX

Por mais estranha que esta história pareça, ela é ainda comum nas empresas que visito e nas empresas de meus colegas de TI. E, sim, algo está errado com isso. Com os avanços das últimas duas décadas nas tecnologias de virtualização e conteinerização, a engenharia de automação de infraestrutura pode emergir como uma disciplina.

Infraestrutura Programável

A Infraestrutura como código, ou infraestrutura programável, significa escrever código (que pode ser feito usando um linguagem de alto nível ou qualquer linguagem descritiva) para gerenciar configurações e automatizar o provisionamento da infraestrutura e implantações. Isso não é simplesmente escrever um scripts que sobe e roda uma máquina virtual, mas envolve também o uso de práticas de desenvolvimento de software testadas e comprovadas que já estão sendo usadas no desenvolvimento de aplicativos. Em suma, isso significa que você escreve código para provisionar e gerenciar seu servidor, além de automatizar processos que rodam neste servidor.

Observe o seguinte código abaixo, que pode ser executado no Windows, Linux ou Mac OS/X com uma ferramenta de provisionamento chamada Ansible.

- hosts: server
  sudo: yes
  sudo_user: root

  tasks:

  - name: Instala mysql-server
    apt: name=mysql-server state=present update_cache=yes

  - name: Instala dependencias
    apt: name=python-mysqldb state=present

  - name: Verifica se o mysql está rodando 
    service: name=mysql state=started

  - name: Criar usuario com os privilegios apropriados
    mysql_user: login_user=root login_password="" name={{ mysql_user }} password={{ mysql_password }} priv=*.*:ALL host=% state=present

  - name: Create base de dados AloMundo
    mysql_db: name=alo_mundo state=present

  - name: Copia o dump do SQL para a máquina remota
    copy: src=dumpAloMundo.sql.bz2 dest=/tmp

  - name: Restaura o dump no banco de dados AloMundo
    mysql_db: name=alo_mundo state=import target=/tmp/dump.sql.bz2

Este script (chamado de PlayBook no Ansible) instala o mysql-server na máquina remota (servidor), garante que o mysql está em execução, cria um usuário com a senha, cria o banco de dados alo_mundo, copia um dump sql para a máquina remota e o restaura no banco de dados destino.

Considere agora este exemplo, com o uso da ferramenta Docker.

  
docker pull microsoft/mssql-server-2016-express-window
docker run -d -p 1433:1433 
        -- env sa_password=senha 
        -- isolation=hyperv microsoft/mssql-server-2016-express-windows

Este script baixa um contêiner Docker de um ambiente remoto com um Windows e Microsoft SQL Server e o roda na porta 1433. E este contêiner pode ser rodado em um sistema operacional nativo diferente.

Observe que nos scripts acima você pode eliminar muito trabalho manual e permitir que o provisionamento de ambientes, instalação de softwares, configurações destes software e disparo de servidores seja todo automatizado em scripts.

Nos ambientes mais sistematizados e que requerem práticas ITIL podemos manter toda a governança necessária para o controle da infraestrutura. Ao mesmo tempo, eliminaremos o tedioso e lento trabalho manual que gera filas, atrasos e estresses para os times de TI.

Com esta definição em mãos, vamos caminhar em direção a um modelo de maturidade de infraestrutura como código

  1. Maturidade 1 – Inicial – Aqui não existe uma cultura de configuração e uso de scripts de provisionamento de ambientes. Todo o trabalho de preparação de ambientes é realizado diretamente sobre hardwares reais e isso é sempre repetido para cada nova requisição realizada para o time de infraestrutura. Nesta maturidade, os tempos de atendimento são longos e existe estresse frequente entre o time de desenvolvimento e o time de operações.
  2. Maturidade 2 – Consciente –  Aqui a cultura de virtualização começa a ser experimentada. Os times de operações adotam tecnologias como o Oracle VirtualBox, VMWare, Windows Hypervisor e similares para facilitar o trabalho de criação e configuração das máquinas. Alguns trabalhos são operacionalizados com scripts, mas o trabalho manual é ainda dominante e ainda gera tempos altos de atendimento das requisições.
  3. Maturidade 3 – Gerenciado – Aqui entram em cena ferramentas como Docker, Ansible e Puppet para tornar o trabalho de provisionamento, instalação e configuração de ambientes totalmente automatizados. Os scripts de provisionamento começam a ser escritos e organizados em repositórios de código. Com isso o atendimento de requisições de criação de ambientes é facilitado com tempos de atendimento reduzidos.
  4. Maturidade 4 – Avançado – Neste nível, os scripts são governados e podem ser distribuídos para os times de desenvolvimento para estabelecer ambientes self-service. Temos também o provisionamento dos ambientes de produção (Release Management) completamente controlados por máquinas e com mínima interferência humana. Para isso, são estabelecidos ambientes de nuvens privadas ou públicas para facilitar a implementação de políticas de escalabilidade e alocação de recursos em modelos de pagamento pelo uso. O efeito na redução do trabalho manual nos times de operações é notável.
  5. Maturidade 5 – Melhoria Contínua – Neste nível praticamente todo o trabalho de infraestrutura é gerido por código fonte e ferramentas de provisionamento. Máquinas virtuais, bancos de dados, servidores de aplicação, servidores Web e até mesmo redes (SDN) são configuradas por código fonte. O “hardware” se torna software.

 

Recursos de Aprendizado

Para quem nunca teve contato com a prática da InfraEstrutura como Código, isto pode parecer ficção. Felizmente, esta prática já é realidade em muitas empresas do Brasil. E ela pode ser operacionalizada por ferramentas gratuitas também, na sua empresa inclusive.

Deixo aqui alguns livros a respeito para o interessado em melhorar a gestão da sua infraestrutura e trazê-la para o século XXI. O primeiro explica a prática do IaC em detalhes os três outros livros apresenta ferramentas muito legais para operacionalizar esta prática.

51kktpbssjl    51otkrbt71l-_sx356_bo1204203200_

51piynh5ppl    51mweljjc4l


E como está a prática da infraestrutura na sua empresa? Já no século XXI ou ainda preso em algum túnel do tempo no século XX?

Se você não leu os dois primeiros artigos desta séria de Maturidade DevOps, deixo aqui os links:

Parte 1 – Maturidade DevOps – Qualidade de Código
Parte 2 – Maturidade DevOps – Gestão de Builds e Integração Contínua

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s