Maturidade DevOps – Pessoas e Robôs colaborando juntos com o ChatOps

Já discutimos nesta série três dimensões da maturidade DevOps.

Iremos agora discutir um aspecto primordial na cultura DevOps, que é o aumento da comunicação e colaboração. Curiosamente, são agora os robôs (ou bots) que vem ao nosso alcance aqui para ajudar times a manter o compasso da comunicação.

Conheça o ChatOps

O ChatOps é a prática do desenvolvimento e operação orientado por conversações. Ao trazer suas ferramentas para suas conversas e usar um bot de bate-papo modificado para trabalhar com plug-ins e scripts, as equipes de desenvolvimento podem automatizar tarefas e colaborar, trabalhando melhor, mais barato e mais rápido.

Ou seja, enquanto estiver em uma sala de bate-papo, os membros da equipe podem digitar comandos que o bot do chat está configurado para executar scripts personalizados e plugins, tais como o disparo de build ou a promoção de código para um ambiente de homologação. Isto é, toda a equipe colabora em tempo real à medida que os comandos são executados.

A figura abaixo exemplifica a arquitetura básica de uma infraestrutura ChatOps.

chatops-fundamental-architecture

Da mesma forma, as ferramentas como o GitHub, Jira, Trello, VSTS, Jenkins, Puppet, entre outras, também podem ser configuradas para gerarem eventos de conversação dos bots. E com isso as ferramentas “avisam” os seres humanos sobre eventos importantes que devam ser monitorados.

Existem muitas ferramentas para realizarmos ChatOps, como por exemplo o HipChat, Flowdock e o  Campfire. Cito aqui o Slack como exemplo, ferramenta para chat entre seres humanos e robôs. Você pode imaginar ao usá-la que ela é similar ao Skype ou GoogleTalk, mas ela vai muito além. Por contar das integrações diversas com muitas ferramentas, ela permite  que times interajam com ela através de comandos para enviar ou receber notificações de ferramentas como o VSTS, Docker, Ansible ou Puppet.  Um exemplo simplista é mostrado na figura abaixo.

15-slash-command-example

E existe também a possibilidade de você integrar qualquer ferramenta nativa que possua na sua empresa através de ferramentas para o desenvolvimento de ChatOps. Um artigo com 12 frameworks da Nordic API fornece algumas boas opções para isso.

Um Modelo de Maturidade para Automação da Comunicação

Com esta definição de ChatOps, vamos caminhar em direção a um modelo de maturidade de infraestrutura como código

  1. Maturidade 1 – Inicial – Aqui não existe automação da comunicação. As ferramentas operam de forma silenciosa e também não aceitam comandos através de ferramentas de linha de comando e ferramentas de chats. O conceito de bots é desconhecido ou ignorado pelos times.
  2. Maturidade 2 – Consciente –  Aqui os primeiros experimentos de automação começam a acontecer. Neste nível, o time começa a usar integradores de uso trivial como IFTTT e o Zapier para fazer ferramentas como o Trello e JIRA conversarem com ferramentas de chats como o Slack ou HipChat.
  3. Maturidade 3 – Gerenciado – Aqui a automação da conversação ganha escala e existe forte comunicação das ferramentas de ciclo de vida com as ferramentas de chat nos pontos críticos dos processos. Além disso, os times começam a experimentar também o envio de comandos automatizados nas ferramentas de Chats para disparar processos automatizados de build, release e operação, entre outros. É esperado neste nível que todo o time de desenvolvimento passe a usar esta infraestrutura de comunicação.
  4. Maturidade 4 – Avançado – Neste nível, todo o ciclo de vida do desenvolvimento e operação de um produto está automatizado por conversações, seja dos humanos para as ferramentas quanto vice-versa. Neste nível, até produtos nativos foram personalizados e integrados na automação da comunicação com frameworks ChatOps. Aqui as equipes de infraestrutura também se sentem confortáveis para usar esta abordagem de comunicação.
  5. Maturidade 5 – Melhoria Contínua – Aqui existe excelência na comunicação entre humanos e máquinas e a sintaxe dos comandos é estendida para suportar conversações mais sofisticadas, até mesmo com uso de recursos de processamento de linguagem natural (NLP). O processo é continuamente aperfeiçoado e todo o time participa do processo do enriquecimento da aplicação. Os times de desenvolvimento e operações controlam o seu ambiente de forma muito mais ágil que times convencionais.

 

Recursos de Aprendizado

Alguns livros a respeito são indicados abaixo. O primeiro é uma introdução leve ao tema para os mais apressados. O segundo dá um tratamento um pouco mais extenso ao tema e o terceiro trata de aspectos mais avançados para aqueles que precisam criar e manter bots.

captura-de-tela-2016-12-19-as-19-42-46         captura-de-tela-2016-12-19-as-19-41-49

captura-de-tela-2016-12-19-as-19-35-38

O segundo livro está temporariamente disponível para download a partir do seguinte sítio.

Finalmente, recomendo também este vídeo de 36 minutos que conta a história do ChatOps no GitHub, organização que originalmente cunhou este termo.


E você, já conversou com um robô? Compartilhe aqui as suas experiência com ChatOps no mundo DevOps.

captura-de-tela-2016-12-19-as-19-45-47

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s