As 10 práticas de agilidade mais populares do planeta em 2020

Métodos e frameworks ágeis como Scrum, Safe, LESS, DevOps ou Kanban não são atômicos. Eles são compostos por várias práticas de processo. Uma prática é uma estrutura pequena, uma parte do todo. E as partes organizadas em uma coleção ajudam a criar a essência e o comportamento do todo.

Entretanto, um método ágil não é apenas a soma de suas práticas constituintes. Quando examinamos partes e seus coletivos podemos ter arranjos muito interessantes.

  1. Por exemplo, podemos ter partes individualmente estúpidas e coletivos muito inteligentes. A epidemia do CoVid-19 é um exemplo de um organismo coletivo muito inteligente (e perverso) formado a partir de partes individuais estúpidas.
  2. Podemos ter também coletivos inteligentes formados por partes individualmente inteligentes. Por exemplo, uma matilha de orcas caçando um cardume de atuns é um exemplo desse arranjo.
  3. Um outro arranjo são coletivos poucos inteligentes formados por partes inteligentes, como uma carreata de pessoas, individualmente boas, defendendo uma ideologia política dogmática. O mesmo acontece em torcidas organizadas em estádios de garbo e elegância por todo o Brasil.
  4. Finalmente, temos também arranjos coletivos ruins formados por partes individualmente ruins. Se você já tentou fazer bom prato de comida com ingredientes ruins você entendeu a mensagem aqui.

Uma boa prática de processo não irá garantir um bom método (o nosso coletivo de práticas). Mas você não terá um bom método ágil com práticas pouco adaptadas na sua realidade prática. Ou seja, um ponto de partida ainda melhor que métodos quando pensamos em implantações ágeis é o conceito de práticas de processo. Práticas são recombináveis e podem ser experimentadas em virtualmente qualquer ambiente.  Práticas são seguras para falhas pois podem ser facilmente abandonadas se não se mostrarem viáveis.

E, principalmente, práticas são muito mais robustas do que grandes frameworks ágeis inerentes frágeis e que exigem pesados investimentos em treinamentos e reorganização de empresas.

As 10 Práticas de Agilidade Mais Populares em 2020

O Relatório do Estado da Agilidade publicou em 2020 as práticas ágeis mais adotadas por mais de 1100 entrevistados. Os resultados foram:

  1. Reunião Diária – 85% dos entrevistados.
  2. Retrospectivas – 81%
  3. Planejamento de Sprints – 79%
  4. Demonstrações/Revisão de Sprints – 77%
  5. Iterações Curtas – 64%
  6. Kanban – 63%
  7. Estimativas de Time – 60%
  8. Product Owner/Cliente Dedicado – 54%
  9. Planejamento de Releases – 51%
  10. Time integrado (Devs e Testers integrados) – 51%

Algumas interpretações a partir desses dados seguem abaixo.

1.As quatro primeiras práticas estão ligadas a cadências (ou ritos). Cadências formam um tipo de ciclo de feedback fundamental para que sistemas de trabalho possam ser melhorados em ambientes complexos. Muito vezes subestimadas ou tratados com desdém, devemos ter extrema atenção à execução dessas práticas.

Quando facilito essas cadências,  por exemplo, sempre uso um quadro Kanban (prática #6), com o uso da seguinte heurística: foco no trabalho e não nas pessoas. Para a retrospectiva, foco no trabalho entregue na coluna Terminado. Para a reunião diária, sempre pergunto ao quadro o trabalho que está em execução (Work In Progress). E para reuniões de reabastecimentos como o Planejamento de Sprints sempre olho para a coluna de histórias e pronto para iniciar.

2. A prática #5 está ligada a ciclos curtos, também propriedade fundamental de sistemas complexos adaptativos. Times ágeis normalmente trabalham com ciclos entre 1 a 4 semanas. Ciclos menores

3. A prática #6 está ligada a transparência, gestão à vista e gestão de riscos. Quadros Kanban também são um alicerce importante para observar sobrecarga e criar um ambiente de discussão para a introdução de políticas de melhoria.

4. A prática #7 mostra que quase dois terços do mercado ainda definem compromissos baseado em estimativas. É um sinal que existe muita oportunidade de avanço com o uso de elementos mais maduros e robustos que envolvem previsibilidade, métricas de fluxo e o movimento #noestimates. Tenho a esperança que essa prática não apareça mais aqui quando o mercado ganhar mais maturidade.

5. A prática #8 mostra que metade dos times já conseguem ter pontos focais dedicados para interagir com seus clientes. Isso é positivo em minha opinião pois mostra que a interface com áreas clientes está em franca melhoria.

6. A prática #9 exibe que metade dos times estabelecer planos de lançamento no mercado com produtos mínimos viáveis e entregas parciais. Me parece ser um passo de maturidade quando comparamos com abordagens de construção de elefantes em projetos que demoravam muitos anos.

7. Finalmente, a prática #10 mostra esforços de reorganização para a quebra de silos funcionais em metade das organizações. O uso de times multidisciplinares é sem dúvida um facilitador para times operarem e melhorar suas eficiências de fluxo. Vale apenas o ponto de atenção que não é uma receita de bolo que possa ser aplicada em qualquer contexto e não precisar estar no caminho obrigatório de qualquer implantação de agilidade.


Estudar e aplicar práticas é robusto. Quando você combina boas práticas em bons arranjos você poder criar, por emergência sistêmica,  um método muito mais poderoso que as práticas individuais.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s